Jorge Antunes

 

Valsa Sideral (1962)
(port.) (eng.)

Movimento Browniano (1968)
(port.) (eng.)

Voyage au fond de l'océan cérébral (2005)
(esp.) (fr.) (eng.)

Rituel Violet (1999), sax-ténor et bande. Sax: Daniel Kientzy
(esp.) (fr.) (eng.)

JORGE ANTUNES (eng.) (esp.) (fr.)
Jorge Antunes nasceu em 1942, no Rio de Janeiro, onde realizou sua formação musical tradicional, estudando Violino, Composição e Regência. Em 1961 se destacou como precursor da música eletrônica no Brasil, ao mesmo tempo em que ingressava no curso de Física da Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi). Depois de construir vários equipamentos eletrônicos, Antunes fundou o Estúdio de Pesquisas Cromo-Musicais, compondo suas primeiras obras de música eletrônica.
Em 1965 ele deu início a pesquisas no domínio da correspondência entre os sons e as cores e compõe uma série de trabalhos a que dá o nome de CROMOPLASTOFONIAS, para orquestras, fitas magnéticas, luzes, usando também os sentidos do olfato, do paladar e do tato. Em 1967 ele organizou o Centro de Pesquisas Musicais do Instituto Villa Lobos do Rio de Janeiro para onde transferiu seu laboratório. Em 1969 ele ganhou uma bolsa para estudos pós-graduados em composição no Instituto Torcuato Di Tella de Buenos Aires.
Em 1970 ele continuou suas pesquisas no Instituto de Sonologia da Universidade de Utrecht, com uma bolsa do governo holandês. Em 1971/73 ele ganhou uma bolsa do governo francês para um curso de aperfeiçoamento no Groupe de Recherches Musicales de l'ORTF, onde atuou como compositor-estagiário sob a orientação de Pierre Schaeffer, Guy Reibel e François Bayle. No mesmo período iniciou o Doutorado em Estética Musical na Sorbonne, Universidade de Paris VIII, concluído em 1977 tendo Daniel Charles como orientador.
Desde 1973 Antunes leciona na Universidade de Brasília onde é Professor Titular. Ganhou vários prêmios nacionais e internacionais. Seu catálogo inclui mais de 200 composições, escritas para as mais diversas formações: orquestra, óperas, coro, solistas, música de câmara e música eletroacústica.
Antunes é membro eleito vitalício da Academia Brasileira de Música, ocupante da Cadeira nº 22. Atualmente é presidente da Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica e Pesquisador do CNPq. Tem composto muitas novas obras sob encomenda de Rádios e Festivais do mundo inteiro. Em 2001 participou pela décima primeira vez do Festival da SIMC (Sociedade Internacional de Música Contemporânea), que naquele ano foi realizado no Japão. Em 2002 ele recebeu várias homenagens na Holanda, na França e no Brasil, pelo seu 60º aniversário de nascimento. Tem sua agenda cheia com várias encomendas até 2009. Suas partituras estão publicadas por Salabert, Suvini Zerboni, Bretkopf&Hartell , Zimmermann, Billaudot e Sistrum.

Livros sobre Jorge Antunes:
VALLE, Gerson- Jorge Antunes, uma trajetória de arte e política. Brasília: Editora Sistrum, 2003.
VÁRIOS AUTORES, J. Antunes (org.)- Uma Poética Musical brasileira e revolucionária, Brasília: Editora Sistrum, 2002.

DVD sobre Jorge Antunes:
DEL PINO, Carlos- Maestro Jorge Antunes, polêmica e modernidade, NTSC, 55 minutos. São Paulo: TV Cultura, MinC, Radiobras, LogON Distribuidora, 2005.

Livros de Jorge Antunes:
ANTUNES, Jorge- A correspondência entre os sons e as cores. Brasília: Editora Thesaurus, 1982.
ANTUNES, Jorge- Notação na Música Contemporânea. Brasília: Editora Sistrum, 1989.
ANTUNES, Jorge- Sons Novos para o Piano, a Harpa e o Violão. Brasília: Editora Sistrum, 2003.
ANTUNES, Jorge- Sons Novos para os Sopros e as Cordas. Brasília: Editora Sistrum, 2005.
ANTUNES, Jorge- Sons Novos para a Voz. Brasília: Editora Sistrum, 2007.
ANTUNES, Jorge- A Morte do Arco-Íris, de Jorge Antunes (Literatura infanto-juvenil). Blumenau: Editora Hemisfério Sul, 1998.